A uva Cabernet Franc - origem, blends e harmonização

Publicado em:

Cabernet Franc

Qual a origem da  uva Cabernet Franc? Como os vinhos blend se aproveitam de suas características e como harmonizar um vinho Cabernet Franc na cozinha? 

Esses são os assuntos de hoje no Center Gourmet. E já vamos te adiantar que, se você gosta de um bom vinho tinto de sabor redondo, frutado, porém com um certo punch… Cabernet Franc é o seu vinho.

Inicialmente, essa é uma uva vermelha que tem muita potência no paladar, mas que traz muita elegância aos vinhos. Como resultado de um cruzamento natural entre ela e a uva branca Sauvignon Blanc, nasceu a Cabernet Sauvignon, que vamos conhecer melhor em breve. 

Logo, você talvez pense que ela tem um sabor áspero e forte demais. Muito pelo contrário, ela consegue ser sutilmente mais leve e um pouco mais perfumada que suas parentes. Consequentemente, traz um aroma ligeiramente mais terroso e vegetal. 

Surpreendentemente, com respeito à estrutura, um vinho Cabernet Franc é um pouco menos estruturado do que um Cabernet Sauvignon. Vamos falar mais sobre isso daqui a pouco.

No entanto, para entender melhor a Cabernet Franc, vamos começar pela sua origem, lá na França. 

A origem da Cabernet Franc 

Cabernet Franc

Esta história começa, na verdade, na fronteira entre França e Espanha. Eventualmente, foi levada por peregrinos para Bordeaux, se tornando uma parte vital da produção dos vinhos mais importantes da região. Com o tempo, foi introduzida no Vale do Loire. 

A Cabernet Franc é uma das seis cepas de uvas permitidas nos famosos blends de Bordeaux. As outras são: Cabernet Sauvignon, Merlot, Petit VerdotMalbec e Carménère. Entretanto, nos dias atuais, essa variedade de uva tinta tem sido produzida em outros locais sem tanta tradição em vinhos. 

Os vinhos da região Right Bank (Lado Direito), com seu terroir bem definido e o blend com a uva Merlot, trazem um aroma bem encorpado e frutado. Porém, também exibem uma complexidade na medida, provinda de onde? Da nossa uva em destaque! 

Todavia, os vinhos do Vale do Loire, especialmente da comunidade de Bourgueil, costumam ser mais escuros e com taninos mais presentes e potentes. 

Paralelamente, os vinhos da comunidade de Chinon, apresentam um aroma mais leve e elegante, trazendo notas de framboesa e pimentão. Sobretudo, com uma excelente acidez.  

Sendo bem adaptável, a cepa cresce bem tanto em climas quentes, quanto mais frios. Por exemplo, Tanzânia, Indonésia, Paquistão, Turquia, Chile, EUA e Brasil já produzem com sucesso essa variedade de uvas.

Aliás, produtores experientes na região de Bordeaux, tomam a Cabernet Franc como um estepe. Um plano B para o caso das safras de outras uvas, como a Cabernet Sauvignon, sofrerem algum imprevisto. Então, ela entra para suprir a carência de outras variedades.

Capilaridade da cepa 

Capilaridade é o fenômeno físico que forma na parede interna da taça arcos, ou pernas, à medida que o líquido escorre pelo vidro, depois de agitado. Nesse momento, o álcool evapora mais rápido que a água, que desce pelo recipiente. 

Ou seja, quando você balança o vinho para sentir melhor os aromas da bebida, a forma como ela escorre pela taça pode te dizer muito sobre a densidade, teor alcoólico e até quantidade de açúcar presentes no seu vinho. 

Se você escolher um vinho mais suave, com menos álcool, note que ele deve formar poucos arcos, ou pernas, e que escorrerão de forma rápida pela taça. 

Agora, caso você escolha um vinho seco, com menos açúcar e maior teor alcoólico, vai observar que ele apresenta muitas lágrimas e que escorrem de forma lenta pela taça. 

As características da uva Cabernert Franc 

Cabernet Franc

Em contraste com toda essa versatilidade, cada uva tem sua personalidade e descrever uma variedade é como apresentar alguém a um amigo. Você pode citar suas características físicas, do que ela gosta ou não gosta, como é seu humor e como ela se comporta com outros, certo? 

Similarmente, é o que acontece com as uvas. Assim, vamos te apresentar a Cabernet Franc. 

Características físicas da uva 

Inicialmente, vamos falar do visual das uvas. Por ser uma variedade de uva tinta, ela apresenta uma linda tonalidade violeta, quase rubi, que resulta num vinho belamente tinto. Entretanto, permite que se veja através dele, caso não tenha passagem por madeira. 

Assim, também traz ao paladar um sabor de ervas, bem típico das uvas tintas. 

Sobre sua forma, costuma apresentar cachos não muito grandes e de forma bem redondinha. Diferente de algumas variedades que tem seus frutos mais alongados. 

Curiosamente, se ela é cultivada em terras de clima frio, produz frutos sem muita expressão, consequentemente, com a cor desbotada. 

Já em clima mais quente, absorve todo o sabor de ervas do solo. 

A estrutura dos vinhos Cabernet Franc 

Cabernet Franc

Médio corpo ou Bom corpo 

Essa classificação é dada de acordo com a fluidez ou densidade do vinho na boca. De modo que ele pode ser ralo, de médio corpo, encorpado ou pesado, massudo. 

Logo, nosso vinho em questão, é equilibrado e agradável no paladar.  

Taninos macios 

Os taninos estão presentes na casca das uvas e quanto mais grossa, mais taninos. Sendo assim, dá para sentir na Cabernet Franc os taninos, mas eles são macios, redondos. Sem deixar o paladar áspero, por assim dizer.  

Acidez marcante 

A acidez de um vinho é medida pela reação das papilas gustativas ao contato com a bebida. Em síntese, se você saliva bastante ao provar, ele tem uma acidez maior e caso contrário, pouca acidez. 

Sob esse prisma, um vinho Cabernet Franc tem uma boa acidez, dando água na boca, literalmente. Mas, por incrível que pareça, não é desagradável e nem uma acidez excessiva, desequilibrada.  

Teor alcoólico 

Geralmente, um Cabernet Franc tem teor alcoólico médio, algo em torno de 12%. Sendo assim, você consegue sentir o álcool na garganta depois de um bom gole. No entanto, isso varia de acordo com o local e o processo usado na produção do vinho. 

Lembrando que, de acordo com a legislação brasileira, o vinho deve apresentar teor alcoólico entre 8,6% e 14%. 

Os aromas da Cabernet Franc 

Se você é um apreciador experiente de vinhos, vai entender bem os aromas que vamos descrever a seguir. Porém, se você está aqui para aprofundar seus conhecimentos, lembre-se de que o vinho quase tem vida própria! 

Então, estes aromas e notas, mesmo que muito diferentes, tornam cada vinho reconhecível ao paladar, como uma assinatura ou facetas da sua personalidade. Sendo assim, os aromas mais comuns em um vinho Cabernet Franc são: 

Ameixa, framboesa, cereja, pimentão verde, ervas e pimenta preta.  

Entretanto, você também pode encontrar notas de morango, cranberrry, groselha, terra, tabaco, oliva e couro. Logo, tudo isso depende do famoso terroirconjunto de características do solo, das uvas, o clima e métodos de produção, que “carimbam” na safra uma identidade.  

Normalmente, a Cabernet Franc possui um aroma frutado, o que é muito agradável quando combinado às qualidades da Cabernet Sauvignon e Merlot. 

Um outro detalhe, é que ela é bem elegante e tem um sabor delicado, porém presente e equilibra bem nos vinhos blend. 

Descendente famosa – Cabernet Sauvignon  

Cabernet Franc

Fruto do cruzamento das variedades Cabernet Franc e Sauvignon Blanc, temos a Cabernet Sauvignon. Com o tempo, ela se tornou uma sensação em clubes de degustação e amantes de vinho por todo o mundo. 

Mas, por quê? 

Com aroma rico, bem encorpado, ela possui notas de couro, menta, groselha e ameixa preta que conquistou o paladar dos mais exigentes degustadores. 

A seguir, veja algumas curiosidades sobre essa variedade proveniente da Cabernet Franc. 

Ela é realmente muito famosa

Em cerca de 20 anos, a quantidade de uvas produzidas ao redor do mundo dobrou. Hoje, a Cabernet Sauvignon é a uva vinífera mais produzida do mundo, com cerca de 341.000 hectares de área plantada. 

Paralelamente, sua resistência às intempéries e a fácil adaptabilidade e cultivo são bem vindas. Assim, também é a variedade de uva que mais cresce em números em países asiáticos, o país que tem caminhado a passos largos na produção de vinhos. 

Amadurece com elegância

Das uvas tintas mais conhecidas e populares, a Cabernet Sauvignon é que apresenta mais taninos. Sendo assim, o ácido fenólico presente na fruta, atua no vinho, permitindo que ele envelheça muito bem.  

Isso acontece porque os frutos da Cabernet Sauvignon são pequenos, com casca grossa e, consequentemente, mais taninos. Uvas menores, sementes maiores e menos polpa por fruto. 

Ela tem uma família de respeito

Como já explicamos, a Cabernet Franc teve essa “filha”. Porém, ela não é a única. Nossa conhecida Merlot também tem sua origem num cruzamento da Cabernet Franc.  

Por isso, até mesmo os mais experientes na área têm certa dificuldade para distinguir os sabores da Cabernet Sauvignon da Merlot. 

Está presente nos blends mais premiados do mundo

Blends da região de Bordeaux são combinações de uvas bem específicas. Dentre elas, a Cabernet Sauvignon é a espinha dorsal da estrutura de sabor dos vinhos. 

Sem as características dessa cepa, eles seriam apenas bons vinhos. Mas, com ela, se tornam vinhos especiais!  

Suporta bem climas quentes

Puxando sua ancestral, suporta bem a variação climática. Mas, sendo uma uva de colheita tardia, o clima quente auxilia no amadurecimento por completo dos frutos.  

Por outro lado, se for cultivada em clima mais ameno, apresenta sabor um pouco diferenciado, destacando o de pimentão verde e até eucalipto. No entanto, isso não chega a ser um problema. Muito pelo contrário, é bem apreciado por muitos consumidores. 

Países que se destacam na produção de vinhos Cabernet Franc 

Parece redundante citar a França como um grande produtor, mas é a realidade. Na região do Vale do Loire, mais especificamente na Comunidade de Chinon, existem produtores renomados e que entregam vinhos varietais de altíssima qualidade. 

Na região de Bordeaux, os vinhos de corte são o que há de melhor, quando se trata de Cabernet Franc! 

Em seguida, temos vários outros países que têm feito um grande trabalho com a Cabernet Franc e o Brasil não fica de fora. Apesar, da produção não ser tão expressiva, os vinhos têm sido uma boa surpresa, no Vale dos Vinhedos. 

Contudo, vamos destacar aqui a produção nos Estados Unidos. Você vai encontrar plantações dessa variedade em quase todo território norte americano. De Nova Iorque à Califórnia e até em estados pouco conhecidos pela tradição em vinhos.  

É bom lembrar que o país é enorme, consequentemente, há uma grande diferença de clima dentro do país. Devido a isso, cepas de diferentes regiões apresentam aromas e estruturas ligeiramente diferentes. 

Com isso, em Nova Iorque, com seu clima mais ameno, um vinho Cabernet Franc vai se mostrar mais leve, com especiarias. 

Simultaneamente, você terá um exemplar com equilíbrio perfeito entre o aroma frutado e o terroso, na ensolarada Califórnia.

Com toda a certeza, em qualquer uma dessas regiões, você terá um excelente vinho para acompanhar sua refeição ou para tomar sozinho mesmo. 

No norte da Itália, região do Friuli, são produzidos bons vinhos com a variedade. Suas características principais são leveza e baixos níveis de açúcar. Consequentemente, maior teor alcoólico. 

Em seguida, podemos citar o Chile, que apresenta vinhos secos e jovens. 

No Canadá, temos bons vinhos em Ontário, incluindo vinhos secos. 

Além disso, Nova Zelândia, Austrália, África do Sul, Hungria, Argentina e Espanha também produzem vinhos Cabernet Franc muito bons.

Cabernet Franc, suas combinações à mesa 

Cabernet Franc

Como podemos descrever um vinho Cabernet Franc? Para começar, podemos dizer que ele é vinho rústico, com uma boa quantidade de sabores de frutas vermelhas, mas sem deixar a desejar nos sabores herbáceos e terrosos, certo?! 

Em seguida, podemos dizer que ele tem uma salinidade, já que pode apresentar notas de especiarias, pimentão, azeitonas e ervas. Mais uma vez, tudo depende do solo e condições em que o vinho é produzido. 

Logo após, um Cabernet Franc é um vinho muito perfumado. Com aromas vibrantes, torna possível para alguns degustadores reconhecerem logo a cepa, devido aos aromas exalados pela bebida. 

Por fim, a uva Cabernet Franc confere ao vinho uma acidez bem marcante, mas sem exagerar. E vindos dela, saem vinhos tintos e rosés maravilhosos.

Mesmo assim, nem sempre é lembrado 

Alguns especialistas da área de Enogastronomia dizem que a Cabernet Franc costuma ser subestimada e, às vezes, desconsiderada mesmo, na hora de escolher rótulos para harmonizar com refeições importantes ou do dia a dia. 

Apesar da descrença, essa variedade possui tantas notas aromáticas, que pode ser combinada igualmente, com uma grande variedade de pratos. 

Às vezes, o anfitrião pensa em um Merlot ou num Cabernet Sauvignon, sem lembrar que um Cabernet Franc possui uma sutil leveza, mas traz uma delicada força em seu aroma e corpo.  

Certos cortes de carne, como cortes suínos, aves, vitela e caças menores, seriam dominados completamente pelo sabor de Cabernet Sauvignon. No entanto, encaixariam perfeitamente com um Cabernet Franc. 

Tipos de cozinha x Cabernet Franc 

Cabernet Franc

Algumas culturas têm em sua culinária o costume de usar condimentos e muitos aromas diferentes. De modo, que harmonizam muito bem com os Cabernet Franc. 

Por exemplo: Culinária grega, árabe, marroquina. Mas, as cozinhas de raiz não perdem em nada. Pizza, galinha caipira e o frango bem temperado, podem muito bem serem acompanhados por um vinho Cabernet Franc. 

Além disso, alimentos bem fortes como embutidos ou cogumelos de sabor mais leve, costumam ser consumidos com um vinho dessa variedade no Vale do Loire, uma das origens da uva.   

 O que isso quer dizer? 

Isso significa que há um grande leque de possibilidades nas harmonizações do vinho com seus preparos. 

A princípio, pode ser pensado quando seu cardápio incluir molhos com especiarias, sopas com vegetais e carnes leves e médias. 

No entanto, lembre-se que ele traz no corpo, acidez e taninos macios, porém marcantes. 

Sendo assim, você também pode pensar em combiná-lo com um prato mais carregado, como um lombo suíno bem temperado e até pizza! 

Dicas de harmonização com Vinho Cabernet Franc 

Cabernet Franc

Cordeiro 

Cabernet Franc e cordeiro é uma combinação que não tem erro! Carnes de caça encontram nos vinhos com aroma terrosos o complemento perfeito.  

A propósito, o vinho tem aromas de especiarias bem presente. Sendo assim, adicione à sua carne temperos bem aromáticos e, com certeza, não vai se arrepender. 

Azeitonas 

Mais uma vez, encaixe uma característica do vinho com uma característica do prato, e vai ser sucesso garantido! 

Anteriormente, dissemos que o Cabernet Franc possui uma certa salinidade. Pois bem, é exatamente ela que vai dar match com a salinidade das azeitonas. Como resultado, uma parte suaviza a outra, encontrando um equilíbrio no paladar. 

Queijo de cabra 

Será que funcionam bem juntos? Sim, funcionam! Acontece que o queijo de cabra é um queijo mais cremoso e forte. Sendo assim, a acidez, aquela que faz dar água na boca, casa super bem com o sabor do queijo. 

De fato, se você for ao Vale do Loire, vai encontrar essa dupla lado a lado por lá. 

Em outras palavras, se você for ao berço da Cabernet Franc, em Bordeaux, na França, verá harmonizações constantes da variedade com pratos de carne e queijos. 

No entanto, podemos pensar também em algumas combinações com a culinária brasileira, que também é tão rica em sabores e temperos.  

Vale lembrar que, nos anos 70 e 80, a Cabernet Franc era a variedade de uva vinífera mais cultivada aqui no Brasil. Sendo assim, é bem possível enxergar esta parceria: comida brasileira e vinho Cabernet Franc. 

A seguir, confira algumas sugestões de receitas que podem ser muito bem acompanhadas por ele. 

Codornas recheadas com froie gras 

A carne de codorna é considerada uma carne de caça pequena. Como resultado, tem um sabor mais marcante, mas não deixa de ser um prato elegante. 

Igualmente, o Cabernet Franc possui uma força e também uma delicadeza, que complementam graciosamente o sabor da codorna. 

Como sugestão, ela pode ser servida acompanhada de cogumelos ou recheadas com um preparo de froie gras 

Outra opção, é usar rillettes para o recheio. Carne branca moída e cozida na gordura. Ambos são pratos bem untuosos, no entanto, a estrutura do vinho, suporta bem toda essa gordura, em especial se não for um vinho tão jovem. 

Filé ou contra filé 

Uma refeição bem conhecida e, aparentemente comum, o Filé a Oswaldo Aranha vem acompanhado de alho frito, farofa e batatas portuguesas. 

O alho combina com o sabor vegetal do vinho, o que não sofre nenhuma alteração com as batatas e a farofa. 

A carne bem saborosa, encontra os taninos macios e redondos da Cabernet Franc e forma um conjunto perfeito e harmonioso. 

Vitela assada 

Para quem aprecia um corte extremamente macio e delicado, a carne de vitela preenche bem esses quesitos. Mas, e agora? Um Cabernet Franc não seria potência demais para uma carne tão tenra? 

Surpreendentemente, não! Lembre-se que ela é uma uva um pouco mais sutil e leve que a Cabernet Sauvignon, portanto, não traz aquela secura à boca. Sendo assim, sua acidez na medida, complementa bem a carne vermelha sem dominar seu paladar. 

Outras possibilidades de harmonização são: Pimentões, almôndegas, hambúrguer, queijo Feta, quiches e carnes ensopadas.

Conclusão

Agora, podemos relembrar alguns detalhes que vimos ao longo desse artigo. 

Inicialmente, vimos que a Cabernet Franc é uma variedade original da fronteira entre Espanha e França. Em terras francesa, ela é usada de formas diferentes e desenvolve características diferentes. 

Por exemplo, em Bordeaux, onde ela geralmente é utilizada como complemento em vinhos de corte, assume o papel de conciliadora. Sendo assim, equilibra o sabor, a cor e a densidade do produto final. 

Já no Vale do Loire, é usada como ingrediente principal para varietais elegantes. 

Também vimos como essa variedade é versátil na hora de harmonizar com os mais variados tipos de pratos. Isso acontece, devido às muitas notas presentes no vinho Cabernet Franc, que vão da grama ou couro. Sendo assim, se unem perfeitamente com pratos que tenham aromas e sabores de vegetais, leves e simples até pratos com mais gordura, força e complexidade. 

Por fim, relembramos receitas de pratos e ingredientes, nacionais e estrangeiros, que dão água na boca e que são parceiros perfeitos para um bom vinho. 

Seja como for, a Cabernet Franc nunca deixou de ser uma das mais importantes uvas no cenário mundial e um vinho Cabernet Franc é sempre uma boa companhia. 

Obrigada por nos acompanhar até aqui. Se você gostou, compartilhe com os amigos esse post e veja mais sobre uvas, bons vinhos e boa comida no nosso blog. 

Gostou do artigo? Aprecie esses sabores nas ofertas abaixo:

 

O varietal argentino

Punta Negra Reserva Cabernet Franc Single Vineyard 2019:

Estruturado, com taninos intensos, acidez alta e bom equilíbrio de frutas; Produtor: Belhara; Teor alcoólico: 14%; Uva: Cabernet Franc (vinho varietal); Nariz: Amora negra, pimenta preta e toques de alcaçuz e baunilha; Harmonização: Filé à Osvaldo Aranha, lentilhas com cebola caramelizada, escondidinho de carne seca

Compre aqui

 


 

O varietal argentino

Bodega Norton Reserva Cabernet Franc 2019:

Frutado e bem estruturado, com taninos firmes e notas herbais; Produtor: Bodega Norton; Teor alcoólico: 14%; Uva: Cabernet Franc (vinho varietal); Nariz: Aromas de frutas pretas, e notas amadeiradas e de especiarias; Harmonização: Carnes vermelhas grelhadas, massas recheadas, queijos maduros

Compre aqui

 


 

O varietal francês

Nicolas Grosbois La Cuisine de ma Mère 2020:

Vibrante e muito saboroso; Produtor: Domaine Grosbois; Teor alcoólico: 13,09%; Uva: Cabernet Franc (vinho varietal); Nariz: Clássico aroma de frutinhas vermelhas com notas herbáceas; Harmonização: Pizzas, burgers, aperitivos e queijos

Compre aqui

 


 

O varietal brasileiro

Don Giovanni Cabernet Franc 2020:

Bem estruturado e equilibrado, com taninos delicados e final persistente; Produtor: Don Giovanni; Teor alcoólico: 13%; Uva: Cabernet Franc (vinho varietal); Nariz: Aroma frutas vermelhas, geleia de framboesa e notas de especiarias; Harmonização: Carnes vermelhas e de caça, massas e queijos maduros

Compre aqui

 


 

O varietal francês

Maison Foucher Les Tuffeaux A.O.C. Saumur-Champigny 2018:

Leve, boa acidez, taninos macios, frutado; Produtor: Maison Foucher; Teor alcoólico: 13%; Uva: Cabernet Franc (vinho varietal); Nariz: Framboesa, ameixa, groselha, especiarias, mentol; Harmonização: Filé ao molho de mostarda, tandoori de frango, espaguete com ragu de calabresa, penne ao sugo, lasanha de abobrinha ao pomodoro, queijos semiduros

Compre aqui

 


 

O varietal chileno

Pérez Cruz Limited Edition D.O. Valle del Maipo Andes Cabernet Franc 2018:

Frutado, taninos presentes, médio corpo, fresco, amadeirado, especiarias; Produtor: Pérez Cruz; Teor alcoólico: 14%; Uva: Cabernet Franc (vinho varietal); Nariz: Frutas negras, tosta, especiarias; Harmonização: Risoto de parmesão, assado de tira, fettuccine ao ragu de cordeiro, cogumelo recheado com queijo, ravióli de abóbora com carne-seca, bruschetta de parmesão e bacon

Compre aqui

 


 

O varietal uruguaio

Alto De La Ballena Reserva Cabernet Franc 2016:

Macio, com boa estrutura e taninos delicados; Produtor: Alto De La Ballena; Teor alcoólico: 14%; Uva: Cabernet Franc (vinho varietal); Nariz: Frutas vermelhas maduras, um toque de menta, baunilha e cacau; Harmonização: Filé à Oswaldo Aranha, pato ao molho, codorna assada

Compre aqui

 


 

O varietal argentino

Partridge Selección de Barricas Cabernet Franc 2017:

Elegante, médio corpo, taninos presentes, especiarias, chocolate, amadeirado; Produtor: Viña Las Perdices; Teor alcoólico: 13,5%; Uva: Cabernet Franc (vinho varietal); Nariz: Frutas vermelhas e negras, herbáceo, especiarias, tosta; Harmonização: Fondue de queijo no pão italiano, stinco de cordeiro com polenta cremosa, pasta a la norma, matambre arrolado, feijoada vegetariana e queijos como tilsit, saint paulin, maasdam e gouda

Compre aqui

 


 

⇒ O blend francês

Château La Govinière Cuvée Prestige Lussac Saint-Emilion AOC 2020:

Redondo, macio, final longo; Produtor: Vignoble Charpentier; Teor alcoólico: 13,5%; Uvas: Merlot, Cabernet Sauvignon e Cabernet Franc (vinho blend); Nariz: Frutas vermelhas frescas; Harmonização: Massas com molho ao sugo, queijos maduros, pizzas de sabores variados

Compre aqui

 


 

O blend francês

Château Grand Jour Côtes de Bourg AOC 2016:

Harmonioso, fresco e sedoso, com taninos finos e elegantes; Produtor: Lamont Financière; Teor alcoólico: 14%; Uvas: Merlot e Cabernet Franc (vinho blend); Nariz: Notas intensas de frutas maduras; Harmonização: Espaguete à bolonhesa, queijos semi-duros, maminha assada com batatas

Compre aqui

 


 

O blend francês

Maison Foucher Le Champ Vallin A.O.C. Touraine Rouge 2019:

Leve, boa acidez, taninos macios; Produtor: Maison Foucher; Teor alcoólico: 12%; Uvas: Cabernet Franc e Gamay (vinho blend); Nariz: Frutas vermelhas, nuance defumada, ervas; Harmonização: Risoto de queijo, escondidinho de carne-seca, espaguete ao sugo, lasanha de berinjela com queijo, filé de frango grelhado com legumes, polpetone

Compre aqui

 


 

O blend argentino

La Poderosa Cabernet Franc Merlot 2021:

Rica acidez, taninos sedosos, toques frutados e final equilibrado; Produtor: Bodega Del Fin Del Mundo; Teor alcoólico: 14,1%; Uvas: Cabernet Franc e Merlot (vinho blend); Nariz: Notas intensas de frutas vermelhas com toques de especiarias; Harmonização: Bife de alcatra salteado na manteiga de ervas, tábua de queijos e embutidos, pizza de calabresa

Compre aqui

 


 

O blend francês

Jean-Pierre Moueix A.O.C. Saint-Émilion 2016:

Bom corpo, taninos macios, boa acidez, amadeirado; Produtor: Moueix; Teor alcoólico: 14%; Uvas: Merlot e Cabernet Franc (vinho blend); Nariz: Amora, cereja preta, framboesa, amadeirado, especiarias, defumado; Harmonização: Risoto de queijo e filé-mignon, picanha grelhada, tortilla com costela, quiche com presunto cru e cebolas carameladas, ravióli na manteiga recheado com cordeiro, cogumelos recheados

Compre aqui

 


 

O blend argentino

Goulart B Black Legion Special Blend Old Vines 2019:

Frutado, elegante, de corpo médio e final redondo; Produtor: Bodega Goulart; Teor alcoólico: 14,2%; Uvas: Malbec e Cabernet Franc (vinho varietal); Nariz: Frutas vermelhas frescas com toques de cassis, geléia de cereja, canela e chocolate; Harmonização: Carnes vermelhas grelhadas ou assadas, pizzas e queijos

Compre aqui

 


 

O blend francês

Château Hannetot Pessac-Léognan AOC 2016:

Encorpado e carnudo, com final persistente; Produtor: Château Hannetot; Teor alcoólico: 13,5%; Uvas: Merlot, Cabernet Sauvignon e Cabernet Franc (vinho blend); Nariz: Notas de groselha e cereja, com toques de alcaçuz e especiarias; Harmonização: Carnes vermelhas magras, massas com ragu

Compre aqui

 


 

⇒ O blend francês

Château Bel-Air Bordeaux AOC 2019:

Frutado e equilibrado com taninos macios; Produtor: Vignobles Mourgues; Teor alcoólico: 13,5%; Uvas: Merlot, Cabernet Sauvignon e Cabernet Franc (vinho blend); Nariz: Aromas de frutas vermelhas, como cereja e groselha preta, com notas de alcaçuz; Harmonização: Tábua de frios, hambúrguer e pizzas variadas

Compre aqui

 


 

⇒ O blend francês

Château Simard Saint-Émilion Grand Cru AOC 2012:

Elegante, encorpado, taninos redondos e final persistente; Produtor: Château Simard; Teor alcoólico: 13%; Uvas: Merlot e Cabernet Franc (vinho blend); Nariz: Notas intensas de frutas maduras com nuances balsâmicas; Harmonização: Queijo Parmesão Capa Preta, massas com funghi porcini, bife de alcatra salteado na manteiga de ervas

Compre aqui

 


 

O blend francês

Pagodes de Cos Saint-Estèphe AOC 2016:

Corpo médio, taninos vivos, acidez média mais, final longo e aveludado; Produtor: Château Cos D’Estournel; Teor alcoólico: 13%; Uvas: Cabernet Sauvignon, Merlot, Petit Verdot e Cabernet Franc (vinho blend); Nariz: Notas de amora, chocolate amargo, menta e carvalho; Harmonização: Queijo Grana Padano, boeuf bourguignon, bisteca fiorentina

Compre aqui

 


 

O blend francês

S de Siran Margaux AOC 2017:

Estruturado, complexo e redondo, com taninos firmes, toques frutados e final longo; Produtor: Eleanor; Teor alcoólico: 13%; Uvas: Merlot, Cabernet Sauvignon, Petit Verdot e Cabernet Franc (vinho blend); Nariz: Notas intensas de frutas pretas, café torrado, alcaçuz e baunilha; Harmonização: Carnes de caça e queijos leves

Compre aqui

 


 

O blend francês

Le Lion de La Fleur de Boüard Lalande de Pomerol AOC 2018:

Corpo médio a encorpado, textura macia, frescor agradável, final terroso; Produtor: Château La Fleur de Boüard; Teor alcoólico: 14,5%; Uvas: Merlot, Cabernet Franc e Cabernet Sauvignon (vinho blend); Nariz: Bastante aromático, traz notas de cereja preta, ervas secas e cogumelos; Harmonização: Queijo Gruyère, fraldinha grelhada, massa com molho à bolonhesa

Compre aqui

 


 

O blend francês

Château de La Rivière A.O.C. Fronsac 2015:

Encorpado, taninos presentes, boa acidez, fruta e madeira em perfeito equilíbrio; Produtor: Château de La Rivière; Teor alcoólico: 14,5%; Uvas: Merlot, Cabernet Franc, Cabernet Sauvignon e Malbec (vinho blend); Nariz: Frutas vermelhas, frutas negras, especiarias, notas do amadurecimento; Harmonização: Risoto trufado, costeleta de javali com berinjela, mignon ao molho de nozes com purê de mandioquinha, pappardelle com ragu de ossobuco, cupim no bafo ao chimichurri, magret de pato

Compre aqui

 


 

O blend francês

Enclos du Wine Hunter A.O.C. Bordeaux Rouge 2018:

Frutado, corpo de leve para médio, taninos macios, boa acidez, final agradável; Produtor: Enclos du Wine Hunter; Teor alcoólico: 13,5%; Uvas: Cabernet Sauvignon, Merlot e Cabernet Franc (vinho blend); Nariz: Frutas vermelhas frescas, floral, especiarias; Harmonização: Filé-mignon com molho madeira, batata recheada com queijo e bacon, talharim com ragu de carne, escondidinho de carne-seca, cogumelos recheados, mix de queijos semi-maduros

Compre aqui

 


 

O varietal brasileiro

Cabernet Franc Don Giovanni 2019:

Bem estruturado e equilibrado, com taninos delicados e final persistente; Produtor: Don Giovanni; Teor alcoólico: 13%; Uva: Cabernet Franc (vinho varietal); Nariz: Aroma frutas vermelhas, geleia de framboesa e notas de especiarias; Harmonização: Carnes vermelhas e de caça, massas e queijos maduros

Compre aqui

 


 

O rosé blend francês

Enclos du Wine Hunter Bordeaux Rosé 2019:

Elegante, leve, fresco, frutado, final agradável; Produtor: Enclos du Wine Hunter; Teor alcoólico: 12,5%; Uvas: Cabernet Franc, Merlot e Sauvignon Blanc (vinho blend); Nariz: Mescla de notas florais e frutas vermelhas; Harmonização: Bacalhau com natas, lula à dorê, ceviche de salmão, farfalle ao molho alfredo, bolinho de risoto recheado de queijo, salada de brotos com cogumelos refogados com tofu

Compre aqui

 

Comentários:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos Relacionados:

Os 8 principais produtores da Cabernet Sauvignon
Hoje vamos falar sobre a rainha das uvas tintas: a Cabernet Sauvignon. Essa uva incrível, como mostra o...
Temperos e especiarias - Como combiná-los com vinhos?
Combinar temperos e vinhos não é tão difícil e podemos provar! Confira as características mais marcantes e os...
Azeites - Harmonização com vinhos e benefícios à saúde 5
Saber usar bons azeites faz toda a diferença na hora de cozinhar. Mas, tão importante quanto entender a...
Como fazer vinho quente? 8 Receitas incríveis!
O friozinho de junho pede por vinho quente, seja de vinho tinto ou branco Inverno, frio, festa junina,...
Tournedo Rossini - Receitas e harmonização com vinhos
Mais espesso que o medalhão, o Tournedo Rossini é um clássico francês que ganhou o mundo Como um...
Cupom de descontos em vinhos especiais para pessoas especiais
Cupom de desconto em vinhos – Como usar? QUERODENOVO – 5% OFF Válido somente para compras e acima...