Valpolicella – Conheça os vinhos, as castas e a região

Valpolicella

Valpolicella é uma região da Itália que se tornou famosa pelos vinhos lá produzidos. De início, seus vinhos podem até parecer comuns, mas eles não são produzidos como qualquer outro tinto. Ou seja, colheita, esmagamento e fermentação da uva.

Para os vinhos Valpolicella, essa receita ganha um toque todo especial entre um processo e outro. Além disso, eles são produzidos exclusivamente com três uvas. Assim, o resultado é um produto com características inconfundíveis e com um charme que só um vinho Valpolicella tem.

Por isso, o Center Gourmet vai te contar a história da região e falar sobre as uvas permitidas na produção dos vinhos. Além disso, você vai saber tudo sobre os estilos de vinhos que recebem o selo D.O.C. e sobre a diferença entre eles. Para começar, vamos dar um passeio pela região do Vêneto, da Itália.

A região de Valpolicella e o vinho homônimo

Valpolicella

A região de Valpolicella é a maior produtora de vinhos do país. De fato, de lá saem vinhos excelentes para o dia a dia. Mas, também é de lá que vêm vinhos que são verdadeiras obras de arte, considerados a nata da produção de vinhos.

Por exemplo, o vinho Amarone, sobre o qual vamos falar daqui a pouco, foi o divisor de águas na história da produção de vinhos da região e pode ser chamado de um vinho de luxo. Por ouro lado, a região também é famosa pelos vinhos brancos produzidos a partir da Pinot Grigio e com preços mais acessíveis. De qualquer forma, os métodos usados na vinicultura deram à região a merecida fama.

Localizada no nordeste italiano, o Vêneto tem Verona como capital. Além disso, também é o berço de outras denominações de origem (D.O.) como prosecco, Bardolino e da tão aclamada Amarone della Valpolicella.

Clima e características da região 

De modo geral, o clima da região do Vêneto é frio. Acontece que Valpolicella é resfriada pelos Alpes Italianos e está entre o Lago de Garda e o Mar Adriático. Normalmente, as uvas dependem das altas temperaturas para amadurecerem e conferirem aos vinhos complexidade nos aromas e sabores.

Nesse caso, pelas baixas temperaturas, os vinhos dependem da experiência dos enólogos para construção dessas características no olfato e paladar, utilizando apenas as uvas cultivadas na região. Já vamos falar mais sobre elas em breve.

No entanto, o terroir local é formado por um solo extremamente fértil e que mantém a umidade. Como resultado, a produção de uvas se torna mais intensa, o que não deveria ser um problema, concorda?

Mas, isso acabou não sendo muito bem-vindo, já que grande volume de produção pode diminuir a qualidade dos frutos e do vinho. Como resultado, uns 40 anos atrás, os especialistas passaram a não dar muito crédito aos vinhos locais, justamente pelo fato de os produtores darem mais atenção ao volume da produção do que à qualidade dela.

Com o tempo, foram criadas sub-regiões que guardam características diferentes e são avaliadas de forma diferente também. Por exemplo, Valpolicella Classico, Valpantena e o próprio Amarone dela Valpolicella são denominações de origem com excelente reputação e consideradas de melhor qualidade que os vinhos Valpolicella comuns.

Mas, isso não quer dizer que os vinhos comuns sejam ruins. Afinal, estamos falando de vinhos bons e de vinhos excelentes! Lembre-se disso.

Vinho Valpolicella, tempo de produção e guarda

Valpolicella

Técnica de passificação confere aos vinhos da região características únicas

O processo de produção dos vinhos Valpolicella leva mais tempo que os vinhos de outras denominações de origem. Inicialmente, as uvas colhidas não vão direto para a etapa de esmagamento, dando origem ao mosto, aquele suco inicial que vai ser fermentado.

Na verdade, os cachos são deixados secando em um local com boa ventilação e estendidos em esteiras feitas de bambu. Assim, durante um período de 04 a 06 meses, esses frutos desidratam e como resultado, concentram sabor. Esse processo é conhecido como “appassimento” ou passificação.

Adicionalmente, a técnica acaba por concentrar também os açúcares das uvas. Consequentemente, leva a vinhos mais doces e com maior teor alcoólico também. Isso acontece porque com maior concentração de açúcar, a fermentação precisa ser interrompida, impedindo que a bebida apresente álcool demais. Ainda assim, ela acaba sendo doce e pouco alcoólica.

A diferença entre os frutos passificados e os da colheita tardia é que nesse processo a colheita é realizada no tempo certo. Já na colheita tardia, o produtor permite que os frutos passem do tempo e amadureçam um pouco mais ainda na videira.

Castas de uvas e os vinhos Valpolicella

Três uvas são as principais cultivadas na região: Corvina, Rondinella e Molinara. Cada uma agrega características diferentes aos vinhos e vamos falar um pouco sobre cada uma.

Valpolicella

Corvina

Considerada a uva mais importante para a produção dos vinhos Valpolicella, a uva Corvina é também a que possui a melhor qualidade para a vinicultura. Seu nome vem da sua cor bem escura, que lembram as penas de um corvo.

Aliás, sua casca grossa é muito útil para o bom andamento do processo de passificação das uvas. Além disso, ela é extremamente resistente ao frio da região e produz muito bem, o que é a garantia do volume de produção dos vinhos Valpolicella.

Seus aromas mais comuns são de amêndoas, cereja, chocolate, couro e ervas. Sendo assim, os vinhos elegantes e profundos que ela entrega são muito recomendados para quem ama uma boa massa e frutos do mar.

Rondinella

Similarmente, a uva Rondinella também apresenta a casca grossa, contribuindo para o processo de passificação dos vinhos. No entanto, a casta já não guarda tantas boas características como a Corvina e costuma estar associada ao volume de produção dos vinhos.

Ainda assim, é uma cepa resistente a pragas e traz aromas florais e frutados ao vinho. Sendo assim, boas companhias para vinhos produzidos a partir dela são carnes vermelhas e queijos maduros como um Provolone.

Molinara

A uva Molinara pode ser chamada por vários nomes. No entanto, você sabe que é ela só de olhar. Afinal, os frutos dessa variedade apresentam uma coloração esbranquiçada, como se estivessem cobertos por uma fina camada de pó.

Com aromas frutados, florais e até com uma certa mineralidade, ela é a responsável por trazer acidez aos vinhos Valpolicella. Dificilmente seus aromas de tabaco, especiarias e pimenta preta vão ser vistos em um varietal. Entretanto, são muito úteis para a produção de vinhos de corte, já que ela e a Rondinella correspondem a cerca de 20% a 30% dos vinhos da região.

Com maestria, o enólogo experiente conduz as características individuais de cada casta, dosando seus pontos fortes e falhas para criar vinhos incríveis. E é sobre os quatro estilos dos vinhos da região de Valpolicella que vamos falar a seguir.

Valpolicella

Valpolicella Classico

Para começar, vamos falar desse que é considerado o estilo mais comum e para o dia a dia. Mas, o vinho

também é produzido a partir das mesmas uvas da região, e apesar de não ter grande destaque, é um bom vinho tinto e doce. Sendo assim, aposte em um prato de massa com molho vermelho para fazer companhia e aprecie.

Amarone della Valpolicella

Dizem que esse estilo de vinho nasceu de um erro no processo de fermentação. No entanto, nunca vamos ter certeza se foi intencional ou não. Porém, o que podemos afirmar é que temos aqui um vinho onde todo o açúcar foi convertido em álcool e a bebida acaba com um certo amargor. Aliás, por isso recebeu o nome de Amarone, amargo em italiano.

Ripasso

Nesse caso, o vinho Classico recebe uma parte das uvas apassitadas, resultando em um vinho mais complexo que os de mesa e com maior teor alcoólico. No entanto, não chega a ter toda a potência do Amarone. Mas, isso não chega a ser um problema. Afinal, quer dizer que seu preço será mais acessível.

Recioto

Lembra do erro de fermentação que dizem ter dado origem ao Amarone? Então, contam por aí que o objetivo era criar um Recioto, vinho produzido a partir de uvas deixadas para secar e concentrar açúcares, sabor e acidez. Porém, a fermentação do Recioto é interrompida depois de um certo prazo, resultando em um vinho com agradável dulçor, complexidade e baixo teor alcoólico. Mas, um barril teria sido esquecido dando origem ao Amarone.

Conclusão

Hoje, você viu aqui no Center Gourmet, como a região de Valpolicella é produtiva. De fato, a região oferece vinhos para todos os gostos e para todos os bolsos. Vimos que seu carro-chefe é mesmo o vinho tinto, que tem como estrelas as três uvas cultivadas quase que exclusivamente na região: Corvina, Rondinella e Marinara.

Mas, também podemos dizer que a região também possui bons representantes dos vinhos brancos, produzidos a partir da Pinot Grigio e que não deixam a desejar.

Por fim, aprofundamos em cada estilo de vinho que de alguma forma é influenciado pela técnica do apassimento e pudemos conhecer um pouco mais da história dessa D.O.C. tão singular.

Gostou de conhecer melhor os vinhos Valpolicella? Então, compartilhe com os amigos. Aproveite para conhecer mais sobre outros estilos em nosso blog. Confira nossos rótulos de vinhos Valpolicella e se surpreenda com os sabores únicos que eles oferecem!

E veja ofertas das nossas mais recentes ofertas dessa categoria de vinhos:

 

O exemplar Amarone Della Valpolicella

Cesari Amarone della Valpolicella Classico DOCG 2018:

Encorpado, cheio em boca, notas de frutas maduras e final longo; Produtor: Gerardo Cesari; Teor alcoólico: 15%; Uvas: Corvina Veronese, Rondinella e Molinara (vinho blend); Nariz: Aroma de frutas maduras e geleia de frutas; Harmonização: Carnes de caça, carnes vermelhas, queijos

Compre aqui

 


 

O exemplar Amarone Della Valpolicella

Biscardo Amarone della Valpolicella Classico DOCG 2018:

Aveludado, complexo, intenso e persistente, com nuances de cereja e amêndoas; Produtor: Biscardo; Teor alcoólico: 15,5%; Uvas: Corvina, Corvinone e Rondinella (vinho blend); Nariz: Expressivo, com notas de compotas de frutas vermelhas, e toques de especiarias, carvalho e tabaco; Harmonização: Carnes vermelhas, pizzas e massas de molho vermelho, queijos

Compre aqui

 


 

O exemplar Amarone Della Valpolicella

Antica Vigna Amarone della Valpolicella DOCG 2019:

Rico, elegante, poderoso, complexo e harmonioso, com nuances de frutas vermelhas maduras; Produtor: Salvaterra; Teor alcoólico: 13,5%; Uvas: Corvina, Corvinone e Rondinella (vinho blend); Nariz: Expressivo, com notas de compota de frutas vermelhas e pretas, e toques de tabaco e especiarias; Harmonização: Paleta de cordeiro assado com batatas e ervas, escondidinho de carne desfiada com purê de mandioquinha, queijo Parmiggiano Reggiano

Compre aqui

 


 

 O exemplar Valpolicella Ripasso

Casato Mastino Valpolicella Ripasso Superiore DOC 2017:

Encorpado, com taninos macios e final longo; Produtor: Casato Mastino; Teor alcoólico: 13,5%; Uvas: Corvina, Rondinella e Corvinone (vinho blend); Nariz: Aroma de cerejas e frutas secas; Harmonização: Carnes vermelhas, risotos e queijos maduros

Compre aqui

 


 

O exemplar Amarone Della Valpolicella

Casato Mastino Amarone della Valpolicella DOCG 2018:

Complexo, encorpado, aveludado, com toques de cerejas e amêndoas, taninos maduros e sedosos, e final persistente e agradável; Produtor: Mabis Wine; Teor alcoólico: 15%; Uvas: Corvina, Corvinone e Rondinella (vinho blend); Nariz: Expressivo e persistente, com notas de compota de frutas pretas e vermelhas, e nuances de especiarias e carvalho; Harmonização: Carnes vermelhas e de caça, massas, queijos maduros

Compre aqui

 


 

 O exemplar Valpolicella Ripasso

Monti Garbi Superiore DOC Valpolicella Ripasso 2019:

Corpo médio, intenso, frutado com nuances da barrica, bem estruturado, taninos presentes, boa acidez; Produtor: Tenuta Sant’Antonio; Teor alcoólico: 14%; Uvas: Oseleta, Corvinone, Rondinella e Croatina (vinho blend); Nariz: Frutas vermelhas maduras como cereja, frutas secas, especiarias, amadeirado, toque de couro; Harmonização: Costelinha suína ao molho barbecue, filé ao molho madeira, espaguete à putanesca, nhoque de abóbora com cogumelos na manteiga de sálvia

Compre aqui

 


 

O exemplar Amarone Della Valpolicella

Tenuta SantAntonio DOCG Amarone Della Valpolicella 2017:

Encorpado, intenso, potente, com grande estrutura, bom volume de boca, frutado com nuances da barrica, taninos presentes, acidez alta, final logo e complexo; Produtor: Tenuta Sant’Antonio; Teor alcoólico: 15%; Uvas: Corvina, Rondinella e Oseleta (vinho blend); Nariz: Frutas vermelhas maduras como cereja, frutas pretas maduras como ameixa, frutas secas, pimenta, tabaco, chocolate, couro, carvalho; Harmonização: Bife ancho na parrilha, costeleta de cordeiro com risoto de parmesão, mignon com crosta de mostarda, risoto de funghi

Compre aqui

 


 

O exemplar Amarone Della Valpolicella

Cesari Amarone Della Valpolicella Classico DOCG 2016:

Encorpado, cheio em boca, notas de frutas maduras e final longo; Produtor: Gerardo Cesari; Teor alcoólico: 15%; Uvas: Corvina Veronese, Rondinella e Molinara (vinho blend); Nariz: Aroma de frutas maduras e geleia de frutas; Harmonização: Carnes vermelhas e de caça

Compre aqui

 


 

O exemplar Amarone Della Valpolicella

Vivaldi Ai Colli Amarone della Valpolicella DOCG 2018:

Complexo, encorpado, taninos maduros e sedosos, final persistente e agradável; Produtor: Vivaldi; Teor alcoólico: 15%; Uvas: Corvina, Corvinone e Rondinella (vinho blend); Nariz: Compota de frutas pretas e vermelhas, especiarias e notas de carvalho; Harmonização: Pernil de cordeiro assado, costela no bafo com mandioquinha, queijo Gorgonzola

Compre aqui

 


 

O exemplar Amarone Della Valpolicella

Montresor DOCG Amarone della Valpolicella Satinato 2017:

Corpo médio, elegante, taninos redondos, acidez média para alta que proporciona um agradável frescor, harmonia entre a madeira e o frutado; Produtor: Montresor; Teor alcoólico: 15,5%; Uvas: Corvina, Rondinella e Molinara (vinho blend); Nariz: Frutas vermelhas, cereja, cacau, chocolate amargo, herbáceo; Harmonização: Rigatoni com ragu de cordeiro, lasanha de berinjela, arroz de pato

Compre aqui

 


 

O exemplar Valpolicella Classico

Cesari Valpolicella Classico DOCG 2019:

Bastante equilibrado, saboroso e aveludado; Produtor: Cesari; Teor alcoólico: 12,5%; Uvas: Corvina e Rondinella (vinho blend); Nariz: Fresco e frutado, com notas de frutas vermelhas; Harmonização: Carnes vermelhas, massas e queijos

Compre aqui

 


 

O exemplar Amarone Della Valpolicella

Casato Mastino Amarone della Valpolicella DOCG 2015:

Paladar complexo, encorpado, taninos maduros e sedosos, final persistente e agradável; Produtor: Mabis Wine; Teor alcoólico: 15%; Uvas: Corvina, Corvinone e Rondinella (vinho blend); Nariz: Compota de frutas pretas e vermelhas, especiarias e notas de carvalho; Harmonização: Carnes vermelhas e de caça, massas e queijos maduros

Compre aqui

 


 

O exemplar Valpolicella Ripasso

Biscardo Valpolicella Ripasso Classico Superiore DOC 2016:

Encorpado, com taninos aveludados e final persistente; Produtor: Biscardo; Teor alcoólico: 14%; Uvas: Corvina, Molinara e Rondinella (vinho blend); Nariz: Ameixa e groselha maduras, toques defumados, de amêndoas, madeira e uva passa; Harmonização: Costela assada no bafo, fondue de queijo

Compre aqui

 


 

 O exemplar Valpolicella Ripasso

Cesari Mara Valpolicella Ripasso Superiore DOC 2018:

Encorpado e aveludado, com taninos macios, delicada doçura e final picante; Produtor: Cesari; Teor alcoólico: 13,5%; Uvas: Corvina, Rondinella e Negrara (vinho blend); Nariz: Frutas maduras como cereja, framboesa e ameixa, com toques de especiarias e notas de pimenta; Harmonização: Costela suína ao molho barbecue, nhoque de abóbora na manteiga, queijos semiduros

Compre aqui

 

Deixe um comentário

Rolar para cima